INSTITUTO EVANGÉLICO BEM DO BRASIL

O que a Bíblia fala sobre jejum?

Jejum

O que é jejum e oração?

Jejum e oração é um período em que uma pessoa se separa só para esse fim, jejuar ( ficar um período do dia sem se alimentar com nada) e orar, paasar esse tempo falando com Deus e intercedendo por pessoas ou situações pedindo a Deus por graça, misericordia , socorro, etc.

E sabendo que o jejum traz um maior discernimento, que te faz mais sensível à voz de Deus, é fundamental haver oração durante o período de jejum (Ed 8.23). Jejuar por outra pessoa, por exemplo, só faz sentido se houver oração em favor da pessoa (Tg 5.16). Inclusive, um jejum sempre deve começar com uma oração, pois é quando você vai receber a direção de Deus em relação ao propósito e ao tempo desse jejum.

Porque o jejum é importante?

Porque o jejum também é um propósito que você faz com Deus, porém, no caso do jejum, se trata de uma necessidade, nós precisamos jejuar! (Jl 2.12)

A Bíblia mostra o jejum como um sinal de dependência de Deus (Dn 9.3), onde o homem aflige sua alma (Sl 69.10), deixando de se alimentar, com o propósito de se humilhar (Sl 35.13, Ed 8.21) e buscar a Deus em oração (Ne 1.4).

Qual é o poder do jeum e oração?

Apesar da Bíblia nos dar vários exemplos da ação sobrenatural que acontece como resultado de um jejum (Mt 17.21, At 27.9), ainda sim, é algo que nós não temos como saber exatamente como funciona. Porém, se por um lado é difícil compreender a ação sobrenatural do jejum, por outro é muito simples entender o seu lado prático que é o seu efeito contra os desejos da nossa carne (Gl 5.19-21).

E por que o jejum funciona? Basicamente porque a alimentação é a necessidade primária do ser humano (Tg 2.15-16). Quando você está com muita fome, todas as vontades e desejos da sua alma se concentram em uma só coisa: comer! Todo o resto perde importância porque agora a prioridade é comer.

E o segredo está no fato de que durante o jejum você nega esse desejo e diz não à sua alma. E como ela não tem um outro desejo maior, ela sossega (Sl 42.11). Neste momento, tudo aquilo que era vontade da carne fica muito mais claro, e você consegue discernir melhor a voz de Deus que é ministrada através do seu espírito (At 13.2-3, At 10.9-11, At 9.8-9). A consequência é você pensar menos em você e mais em Deus, menos em você e mais nos outros. Suas orações se tornam menos egoístas (Mt 7.12), e você se concentra naquilo que realmente importa (Jo 15.16).

Quanto tempo tem que ficar em jejum?

Se você nunca fez um jejum com propósitos espirituais, a dica é começar gradualmente, sem exageros. De repente retirar uma refeição que você está acostumado a fazer ou então estabelecer uma quantidade de horas sem se alimentar, o importante durante o jejum é você se sentir em jejum (Rm 14.22), e isso varia de pessoa pra pessoa. Aliás, o jejum é algo tão particular que a Bíblia recomenda que você nem fale para os outros que está jejuando (Mt 6.16-18), mas também o jejum não chega a ser um segredo, afinal quando te oferecerem comida ou no caso de um jejum coletivo (2Cr 20.3, Et 4.16), não tem problema nenhum as pessoas saberem que você está jejuando.

O jejum faz mal para seu corpo?

Pesquisadores chegaram a conclusão que jejuar regularmente faz bem a saúde, e que ficar sem comer nada por apenas 1 ou 2 dias por semana, alimentando-se normalmente nos outros dias, tem benefícios para saúde.

Segundo os pesquisadores este tipo de jejum ajuda a emagrecer, diminui o risco de diabetes, Alzheimer, doenças cardíacas, demência, protege contra vários tipos de câncer e melhora a qualidade de vida do indivíduo.

Nos dias de jejum pode-se tomar água e comer alguns legumes, mas nada mais que isto, e nos dias que se seguem pode-se comer de tudo, mas com moderação, evitando os doces, gorduras e alimentos processados, para obter os resultados esperados.

O jejum de Daniel

Daniel 9

No ano primeiro do seu reinado, eu, Daniel, entendi pelos livros que o número de anos, de que falara o Senhor ao profeta Jeremias, que haviam de durar as desolações de Jerusalém, era de setenta anos. 3 Eu, pois, dirigi o meu rosto ao Senhor Deus, para o buscar com oração e súplicas, com jejum, e saco e cinza. 4 E orei ao Senhor meu Deus, e confessei, e disse: ç Senhor, Deus grande e tremendo, que guardas o pacto e a misericórdia para com os que te amam e guardam os teus mandamentos; 5 pecamos e cometemos iniqüidades, procedemos impiamente, e fomos rebeldes, apartando-nos dos teus preceitos e das tuas ordenanças. 6 Não demos ouvidos aos teus servos, os profetas, que em teu nome falaram aos nossos reis, nossos príncipes, e nossos pais, como também a todo o povo da terra. 7 A ti, ó Senhor, pertence a justiça, porém a nós a confusão de rosto, como hoje se vê; aos homens de Judá, e aos moradores de Jerusalém, e a todo o Israel; aos de perto e aos de longe, em todas as terras para onde os tens lançado por causa das suas transgressões que cometeram contra ti. 8 ç Senhor, a nós pertence a confusão de rosto, aos nossos reis, aos nossos príncipes, e a nossos pais, porque temos pecado contra ti. 9 Ao Senhor, nosso Deus, pertencem a misericórdia e o perdão; pois nos rebelamos contra ele, 10 e não temos obedecido � voz do Senhor, nosso Deus, para andarmos nas suas leis, que nos deu por intermédio de seus servos, os profetas. 11 Sim, todo o Israel tem transgredido a tua lei, desviando-se, para não obedecer � tua voz; por isso a maldição, o juramento que está escrito na lei de Moisés, servo de Deus, se derramou sobre nós; porque pecamos contra ele. 12 E ele confirmou a sua palavra, que falou contra nós, e contra os nossos juízes que nos julgavam, trazendo sobre nós um grande mal; porquanto debaixo de todo o céu nunca se fez como se tem feito a Jerusalém. 13 Como está escrito na lei de Moisés, todo este mal nos sobreveio; apesar disso, não temos implorado o favor do Senhor nosso Deus, para nos convertermos das nossas iniqüidades, e para alcançarmos discernimento na tua verdade. 14 por isso, o Senhor vigiou sobre o mal, e o trouxe sobre nós; pois justo é o Senhor, nosso Deus, em todas as obras que faz; e nós não temos obedecido � sua voz. 15 Na verdade, ó Senhor, nosso Deus, que tiraste o teu povo da terra do Egito com mão poderosa, e te adquiriste nome como hoje se vê, temos pecado, temos procedido impiamente. 16 e Senhor, segundo todas as tuas justiças, apartem-se a tua ira e o teu furor da tua cidade de Jerusalém, do teu santo monte; porquanto por causa dos nossos pecados, e por causa das iniqüidades de nossos pais, tornou-se Jerusalém e o teu povo um opróbrio para todos os que estão em redor de nós. 17 Agora, pois, ó Deus nosso, ouve a oração do teu servo, e as suas súplicas, e sobre o teu santuário assolado faze resplandecer o teu rosto, por amor do Senhor. 18 Inclina, ó Deus meu, os teus ouvidos, e ouve; abre os teus olhos, e olha para a nossa desolação, e para a cidade que é chamada pelo teu nome; pois não lançamos as nossas súplicas perante a tua face fiados em nossas justiças, mas em tuas muitas misericórdias. 19 ç Senhor, ouve; ó Senhor, perdoa; ó Senhor, atende-nos e põe mãos � obra sem tardar, por amor de ti mesmo, ó Deus meu, porque a tua cidade e o teu povo se chamam pelo teu nome. 20 Enquanto estava eu ainda falando e orando, e confessando o meu pecado, e o pecado do meu povo Israel, e lançando a minha súplica perante a face do Senhor, meu Deus, pelo monte santo do meu Deus.